Marcas em movimento

O assunto da vez pra quem gosta de moda, marketing, antropologia e consumo, é a moda consciente. Tenho lido muito sobre, assistido documentários (vale dar uma olhada  no “The True Cost” disponível no Netflix) e pensado em uma frase que já falo algum tempo e que tenho tentado aplicar cada vez mais no meu dia-a-dia, “Amou? Muito? Então leva, se ficou na dúvida deixa por ai.”.

E ai entra as grandes marcas, o que elas tem feito pra conquistar vocês, qual história elas contam, como é o produto e quem faz ele? Por isso tenho amado tanto ir em eventos que reúnem novos produtores, gente que faz e que está ali te dizendo de onde aquilo veio. Dos últimos eventos que fui, trouxe 4 marcas bacanas que amei, pra vocês conhecerem aqui também!foto 2A Eu Líricas é feita pela Camila Lordelo, artista que se propõe em colocar poesias nas coisas, e no seu dia também. São colares, porta jóias, quadrinhos e frases para extrapolar amor em algum canto da casa ou escritório, tudo feito com um carinho absurdo. Para seguir, @euliricas.foto 1A Iglou é uma marca infantil e só por isso provavelmente já ganharia vários suspiros de todo mundo, mas elas vão muito além disso. Por trás da marca Celina Cabral e Larissa Barbosa, trazem um manifesto de produdos feito por pessoas para pessoas, falam de afeto, vínculos, tempo e respeito, palavras importantes para quem quer criar pequenos seres (♡). São roupinhas e produtos de decoração que saem daqueles frus-frus todos e que trazem personalidade, coisa mais linda de ser ver. Para seguir, @iglou.kids.foto 3A Ahoy Company  é uma marca mineira feita em pequena escala, manualmente e em família. Com camisas masculinas com estampas super bacanas, peças femininas que vestem super bem e um cuidado extra no atendimento. Para seguir, @ahoyco.foto 4Para terminar a Amora Papel, produz cadernos de forma artesanal, pelas mãos da Karen Suehiro e Mel Cerri. Eles são pensados com todos os detalhes para quem também ama papelaria. Para seguir @amorapapel.

Anúncios

5 a Seco

800x455_4Na segunda fui no show do 5 a Seco no Theatro NET de São Paulo, fiquei uma semana ouvindo as músicas para não fazer feio, afinal não faz sentido nenhum em ir no show sem saber de cor pelo menos meia dúzia das melhores. Foi o suficiente para me encantar pela letra, voz e melodia dos 5 paulistanos (Leo Bianchini, Pedro Altério, Pedro Viáfora, Tó Brandileone e Vinicius Calderoni) que se revezam em todos os instrumentos e no microfone, mais um ponto pra essa banda incrível.

Eles fizeram sucesso na internet primeiro, depois veio o primeiro disco, do youtube direto pro Ao Vivo no Auditório Ibirapuera, em 2012, com participação de Maria Gadú, Lenine e Chico César. O segundo disco de 2014, Policromo, mostra ainda mais as nuances da banda, porque como eles mesmos dizem, de monocromático basta o dia-a-dia. Dá play!

São Paulo em Cores VIII

IMG_8912Um casarão dos anos 40 localizado na Avenida Faria Lima, se transformou em 1972 no Museu do Mobiliário Artístico e Histórico Brasileiro. Hoje o nome é muito mais fácil, Museu da Casa Brasileira, mas a vocação de mostrar a arquitetura e design do país continua a mesma.

No seu acervo fixo a coleção Crespi Prado (antigos moradores do solar), e também a coleção da Casa Brasileira com móveis icônicos como a poltrona mole do Sérgio Rodrigues e uma das minhas preferidas, a Gaivota de Reno Bonzon.

Além disso quase sempre tem novas exposições temporárias, um jardim lindo onde crianças brincam e um dos restaurantes do Santinho, pertencente ao grupo baiano Capim Santo ficam ali em um espaço lindo.  IMG_8919IMG_8943IMG_8949IMG_8953IMG_8956IMG_8963IMG_8976IMG_8989IMG_9004IMG_9002

Tão bom morrer de amor e continuar vivendo

1912162_756165227764803_4474148284037739198_nA Casa das Rosas é um dos meus lugares preferidos da Avenida Paulista, quem me dera se todo mundo que quisesse construir um prédio comercial pensasse em também preservar a história do local (pra quem não conhece tudo que aconteceu ali, vale o clique no site). Então ali se tornou um pedacinho mágico pra mim, uma construção de 1935 que tem vista pra principal Avenida de São Paulo, a vista pro graffiti em homenagem a Niemeyer feito pelo Kobra (um dos meus artistas do ♡), um café delicioso, um prédio moderno, rosas, poesia…

E foi ali que conheci o trabalho da ilustradora e design Lorena Kaz, com suas tirinhas super bem humoradas do nosso cotidiano, nossas ilusões, sonhos, amores. A personagem central de todas as ilustrações é Lokáz, inspirada na autora e em suas histórias, mas impossível você não se identificar em alguma também. 10403723_748118325236160_4893279314703820959_n1069145_741254802589179_9034832148778045945_n10245526_674330262614967_5585143294052486688_n10630727_742314412483218_1314132314306718559_o

São Paulo em Cores VI

IMG_7978São Paulo é um paraíso no quesito sorvetes, são tantos e todos tão bons! No último dia 28 foi a vez da americana Ben & Jerry’s inaugurar seu espaço em um pedaço charmoso da Oscar Freire.

São 16 sabores, entre os mais famosos Cherry Garcia e Chip Cookie Dough. A loja é linda linda, uma aula pra quem faz especialização em Marketing e Branding (eu!), ou pra quem quer passar bons momentos. Ah, voltando para os sabores o meu escolhido foi o Strawberry Cheesecake (já que não estou comendo chocolate), uma bola sai por R$10. IMG_7976IMG_7988IMG_7993IMG_7996IMG_7998IMG_8061IMG_8062Oscar Freire, 957. #pazamoresorvete

“Klift Kloft Still, a porta se abriu!”

IMG_7734
Sonho de infância! Dizer a senha pro porteiro, entrar em um lugar onde a mágica acontece, bater um papo com a Celeste, girar pro quarto do Nino, subir a escadaria até a torre da Morgana… Quem foi criança nos anos 90 pode ter incontáveis porquês para ter essa experiência incrível, você entra e sai sorrindo.

O MIS com a colaboração da Tv Cultutra apresenta uma das exposições mais lindas de todos os tempos, o “Castelo Rá-Tim-Bum”, ali pra gente andar e se apaixonar! Bem, só fui agora pois antes as filas estavam impossíveis, aos sábados a bilheteria só funciona para quem já comprou on-line (mais caro), as terças é gratuito, domingo muito cheio, então aproveite os dias de semana que estão super organizados. A entrada é R$10 e R$5 a meia, e você pode ficar o tempo que quiser na exposição.. reserve umas 3 horas pra ver tudo com calma.

É tudo muito organizado, inclusive as filas para selfies… Celeste nunca tirou tantas fotos!IMG_7117IMG_7144IMG_7205IMG_7350IMG_7398IMG_7419IMG_7426IMG_7481IMG_7544IMG_7646Até 16 de novembro no Museu da Imagem e do Som, Av. Europa 158.

– Amor, etc. ♡

IMG_6612Já falei aqui algumas (mentira, foram muitas) vezes sobre a Vila Madalena, ainda pretendo conhecer todos os cantos e todos os restaurantes do bairro mais charmoso de São Paulo. Um lugar que junta uma travessa que carrega o nome de Tim Maia, ruas como Harmonia, Girassol e Purpurina, gente grafitando, cantando, dançando e sorrindo só pode ter o melhor astral.

Esse sábado fui na Peixaria Bar e Venda, restaurante com clima de praia e comida delícia, bebidas idem. Nos finais de semana fica BEM cheio, por isso vá sem pressa, o atendimento pode ser um pouco devagar (mas não menos simpático) e a espera por uma mesa pode demorar… mas enquanto espera você pode tomar uma cerveja (servida no isopor), algumas caipirinhas (servida em potes de palmito, muito charme) ou a raspadinha, minha escolha. Não resisti ao climinha nostálgico de tomar raspadinha, a escolha foi a de cereja com saquê (R$12) e olha, maravilhosa!

Pra comer a maior saída são os pastéis, mas o carro chefe da casa é o camarão na moranga (R$28), preço salgadinho pelo tamanho, mas delicioso. E de prato principal foi o Meca, peixe super bem servido com farofa de banana, feijão fradinho, vinagrete e um molho de manjerição (R$38).IMG_6610IMG_6616IMG_6621IMG_6636IMG_6642IMG_6673IMG_6663IMG_6655IMG_6665IMG_6671IMG_6676Rua Inácio Pereira da Rocha, 112 – Pinheiros